Verticalização das cidades: desafios e impactos para o ambiente e a sociedade 

O aumento no número de edifícios altos e a concentração de pessoas e atividades em espaços verticais nas áreas urbanas provocam uma série de impactos ambientais e sociais significativos. A […]

05/07/2024

O aumento no número de edifícios altos e a concentração de pessoas e atividades em espaços verticais nas áreas urbanas provocam uma série de impactos ambientais e sociais significativos. A chamada “verticalização” intensifica o consumo de energia e a produção de resíduos, aumentando também a poluição, e a sobrecarga na infraestrutura urbana, que não acompanha esse processo. 

Além disso, um dos maiores desafios relacionados à verticalização é a falta de espaços públicos adequados, o que pode levar à diminuição da coesão social. Segundo a professora do curso de Arquitetura e Urbanismo do UDF, Priscila Erthal Risi, a urbanização vertical pode criar, sem o devido planejamento, ambientes onde a interação comunitária é prejudicada. “A pressão sobre os serviços públicos, como saúde, educação e transporte, também se intensifica, e pode gerar um alto impacto no uso de recursos naturais”, completa. 

Outro aspecto importante para levar em consideração é o cuidado com centros históricos. A verticalização levanta algumas preocupações adicionais, já que os edifícios históricos possuem restrições específicas quanto a ocupação de seu entorno para garantir a preservação não só da edificação em si, mas da paisagem urbana adjacente.  

A construção de grandes edifícios próximos a essas áreas podem criar dissonâncias visuais e estéticas, impactando negativamente a percepção do patrimônio histórico. Além disso, a sobrecarga da infraestrutura local é um dos efeitos imediatos e preocupantes, já que muitas dessas áreas não foram planejadas para suportar um grande aumento populacional e de atividades, nem de manutenção”, explica Risi. 

Por um lado, a ideia de adensamento populacional para reduzir o uso de veículos particulares e promover o transporte público se apresenta como solução benéfica para a população e o meio ambiente. No entanto, esse benefício não é garantido e depende do planejamento ecológico, econômico e social da região. Sem um planejamento adequado, o adensamento pode não resultar na redução esperada do uso de veículos e pode, ao invés disso, exacerbar os problemas urbanos existentes.  

Por conta da verticalização, observa-se uma diminuição da expansão periférica que, de acordo com a docente, está intimamente ligada a questões regionais, econômicas e política. “Em termos de benefícios, preservação de áreas naturais, habitats de vida silvestre, mananciais hídricos e biodiversidade, a diminuição da expansão periférica é um ganho significativo. Porém, existem os pontos negativos, como o aumento da pressão imobiliária, a perda de identidade e características culturais locais, e a concentração de problemas sociais e infraestruturais”, esclarece.  

De modo geral, a redução da expansão periférica pode ajudar a preservar áreas naturais e produtoras agrícolas, mas a pressão imobiliária nas áreas urbanas pode resultar em preços elevados de habitação, excluindo populações de baixa renda e criando uma segregação ainda maior.  

Para melhorar a capacidade de planejamento das cidades verticalizadas, Risi explica que é necessário realizar estudos específicos e detalhados, já que cada cidade tem suas peculiaridades e necessidades, e as soluções devem ser adaptadas a esses contextos. Somente uma abordagem holística e bem planejada será possível mitigar os impactos negativos da verticalização e promover um ambiente urbano mais sustentável e harmonioso.